Posts

Caso Piquet: Cabe ao tradutor?

Apesar de muitas pessoas saberem que existe a profissão do tradutor, poucas entendem ou sabem qual é de fato o papel e a responsabilidade deste profissional.

Recentemente, tivemos um caso que foi muito comentado do ex-piloto, Nelson Piquet, que, durante uma entrevista, se referiu a Lewis Hamilton, como “neguinho” (por duas vezes) e justificou que o problema em si se dava à tradução feita desta palavra.

O primeiro ponto que é importante trazermos é que não cabe ao tradutor fazer mudanças naquilo que está sendo dito. Ou seja, o papel do tradutor é transpor a ideia e o sentido do texto original. Se considerarmos que, mesmo na língua portuguesa, essa palavra já não tem o seu uso apropriado e é considerada inadequada, a postura do tradutor foi correta, pois mostrou a intenção do falante ao usar essa palavra. A escolha da palavra “neguinho” foi de quem falou.

Voltando às funções dos tradutores, é relevante trazer que essa é uma profissão de extrema responsabilidade. Tudo que é colocado em um outro idioma precisa estar em perfeito alinhamento com o texto/fala original, sem distorções, pois isso pode trazer impactos muito sérios. Existem muitos casos na história em que é comprovado o erro de tradução e o impacto de tal erro para a empresa ou marca, porém isso não foi o que aconteceu no caso citado acima, por isso, é muito perigoso e injusto atribuir certos problemas e erros ao tradutor como uma forma de desculpa para a própria escolha vocabular incorreta.

O fato desta profissão ser pouco falada ou conhecida, faz com que ela seja muito pouco valorizada, começando pelo fato de não ter um curso superior de tradução reconhecido pelo MEC.

Assim como qualquer profissão, nós tradutores, também podemos errar, afinal não é uma tarefa fácil transpor não apenas as palavras, mas a cultura, o sentido original, respeitando o contexto, por isso, quando o erro ou a responsabilidade não é nosso, precisamos deixar isso bem claro também!

Por ser uma profissão que pode ser desempenhada por qualquer pessoa, mesmo não tendo uma formação específica na área, o que geralmente não acontece com outras profissões, a profissão acaba sendo altamente desvalorizada e, por isso, é muito importante trazermos conversas, debates e conhecimentos sobre a nossa área de atuação, a sua relevância e as responsabilidades do profissional.

Por que é importante localizar os seus conteúdos?

Muitas empresas erram na hora de criar suas estratégias para expandir para novos lugares. Isso porque nós, executivos, empreendedores, CEOs, precisamos cobrir todos os riscos, possíveis falhas e, muitas vezes, não estamos nem imaginando de onde os problemas podem surgir. Pois é, empreender não é uma tarefa fácil, mas criar uma boa estratégia e poder contar com parceiros especializados pode facilitar o seu caminho.

Um dos pontos que ganha pouca atenção nesta jornada é a tradução.

O processo de traduzir e localizar os conteúdos para o público-alvo, muitas vezes, acaba ficando por último nas prioridades do que deve ser feito, e isso pode causar grandes problemas.

Se você preza pela sua marca, o ideal é focar em uma estratégia de localização, pensando em quais mercados você pretende atingir (para mapear o público-alvo), os valores, os princípios e o tom da sua marca, assim, você conseguirá planejar melhor se vai precisar de um trabalho de tradução e de localização ou, até mesmo, de transcriação.

Mas qual a diferença entre eles?

O processo de tradução e o processo de localização abrangem a tradução e, também, cuidam para que esse conteúdo atinja de forma positiva o seu público-alvo. Como assim? Se, durante o processo de tradução, for necessário adaptar determinadas frases, como, por exemplo, uma piada, para que o público-alvo a entenda, o tradutor vai fazer isso, pois, nesse caso mencionado, apenas traduzir a piada pode não fazer sentido ou pode até ser ofensivo para aquele público específico. O processo de localização vai considerar o público, a cultura e vai fazer adaptações para que a mensagem seja bem recebida.

O processo de transcriação tem um pouco mais de liberdade do que os dois processos anteriores. Isso porque a transcriação vai criar um texto traduzido, específico para o público-alvo, algumas vezes sendo parecido com o texto original e, em outras, nem tanto, porque, aqui, o mais importante é passar a mensagem final, adequando-a para o público e pensando em questões culturais, éticas e políticas.

Todos esses processos são feitos aqui na Spell Traduções, com tradutores nativos e especializados por áreas e idiomas, e sempre pensamos junto com o cliente na melhor forma de seguir e ajudar nesse processo de expansão.

Grandes marcas adaptam seus produtos e serviços para caírem no gosto do povo de acordo com cada região. Aliás, não apenas produtos e serviços, mas até marcas, às vezes, são modificadas, como é o exemplo do desodorante Rexona, uma marca da empresa Unilever, que na Grã-Bretanha é conhecida como Sure, nos EUA como Degree e no Japão como Rexena.

A tradução também é assim e deve ser pensada desta maneira. É muito importante ter este cuidado com o conteúdo que será exposto da sua marca, pois, caso contrário, você pode ter problemas e perder a reputação que foi criada até agora.