Posts

A Importância da Cultura na Tradução

A tradução desempenha um papel muito importante quando se trata de compreender a cultura. Por exemplo, se um serviço de tradução no Japão trabalha em um documento comercial para um cliente do Brasil, o tom, as expressões e o idioma têm que estar de acordo com a cultura comercial do Brasil. É aqui que entra a importância da cultura dentro da tradução. Mas, primeiro, vamos definir o que é cultura, o que é tradução e o que é linguagem e entender um pouco mais como tudo isso está relacionado.

Cultura:

Como podemos definir cultura? A cultura reflete a maneira pela qual as pessoas se comportam. É um padrão no qual analisamos comportamento, hábitos sociais, crenças, tradições e costumes. Quando estamos tentando saber mais sobre uma determinada cultura, a língua desempenha um papel importante e para compreender melhor a língua a tradução pode ser um caminho de estudo.

Linguagem:

A linguagem é o laço que mantém o significado cultural atado. A linguagem também pode ser classificada como o complexo sistema de comunicação que os seres humanos adaptam em diferentes contextos culturais. Ela contribui de maneira significativa para o sistema de comunicação em qualquer cultura.

Tradução:

É o processo de conversão que ajuda as pessoas que falam idiomas diferentes a entenderem a perspectiva umas das outras e a manterem uma comunicação saudável. Trata-se de conectar culturas e quebrar as diferenças culturais que possam existir. A importância da cultura na tradução é que possibilita uma comunicação efetiva entre ambas as partes.

Ao ler as três definições acima, fica bastante evidente que a cultura e a tradução estão relacionadas. Essa relação ajuda a preencher as lacunas que diferentes idiomas podem criar. Lembrando que temos várias nações e, dentro de uma nação, por exemplo, também há muitos idiomas que são falados. A tradução tem sido um elemento de intercâmbio cultural fundamental.

O respeito à cultura na tradução

Uma boa tradução dá ao leitor a mesma sensação que ele pode ter ao ler um determinado texto em sua língua nativa. A importância da tradução que respeita a cultura é que ela ajuda a comunicar as crenças e ideias de uma maneira adequada, que poderia ser compreendida por pessoas de diferentes origens literárias e culturais.

A negligência desse ponto pode causar diversos problemas e desrespeitar todo um povo, pois, em alguns casos, as diferenças culturais são enormes e o que é comum em uma cultura pode ser ofensivo em outra. Podemos citar como exemplo a grande diferença que temos nas vestimentas entre a cultura brasileira e a cultura muçulmana.  

A tradução e a influência que a cultura exerce

Não se pode ignorar a influência que a cultura tem no idioma e na tradução. O conhecimento de outra cultura facilita a tradução realizada por um tradutor e mantém a exatidão em destaque. O objetivo da tradução é alcançar uma equivalência semântica e isso só pode ser alcançado com um bom conhecimento do idioma-alvo e dos contextos culturais do idioma de origem.

Os tabus que considerados profundos em uma cultura podem ser completamente neutros em outra. A tradução deve ser sensível às associações de valores das palavras e símbolos no idioma para encontrar suas equivalências. A dimensão dos valores é onde ocorre algumas das piores confusões de tradução. 

Por exemplo, quando o Presidente Carter foi à Polônia em 1977, o Departamento Federal contratou um intérprete russo que não estava acostumado a traduzir para o polonês. Por meio desse intérprete, Carter acabou dizendo coisas em polonês, como “deixei os Estados Unidos para nunca mais voltar”, sendo que o que ele disse, na verdade, foi “deixei os Estados Unidos esta manhã”. E um caso ainda mais grave foi: “eu desejo os poloneses carnalmente” traduzido super errado, pois o Presidente só queria saber os desejos dos poloneses para o futuro. Os erros se tornaram o evento da mídia para o constrangimento de Jimmy Carter.

Outro exemplo se deu quando Nikita Khrushchev, líder soviético, disse a embaixadores ocidentais em Moscou a famosa frase: “nós vamos enterrá-los”. Foi uma má tradução, culturalmente insensível, que originalmente queria dizer “nós vamos superá-los”, no sentido de que o Comunismo iria sobreviver ao Capitalismo. Porém, a má tradução foi amplamente interpretada como uma ameaça de ataque que atingiu em cheio os anticomunistas e deixou os americanos com medo de um ataque nuclear. A frase repercutiu nos jornais e revistas do mundo todo e trouxe ainda mais problemas para as relações já conturbadas entre a União Soviética e os países do Ocidente.  

Há muitos outros exemplos que apontam para a necessidade da sensibilidade cultural na tradução.

Por isso, é muito importante conhecer as disparidades culturais para poder ajudar uma pessoa a entender outro idioma. O fato de que a cultura e a tradução compartilham um forte vínculo é inevitável. É, por isso, que a contratação de serviços profissionais de tradução se torna uma questão crucial. 

Texto escrito por: Renata Pinheiro

Traduções de expressões populares e seus desafios

Você já assistiu a um filme legendado e percebeu que uma expressão engraçada não teve tanta graça assim na legenda? Ou já leu algum livro traduzido e notou que uma expressão única da sua língua não teve uma tradução equivalente na outra língua e não conseguiu causar o mesmo efeito? 

As traduções das expressões mais comuns aqui no Brasil para o inglês, por exemplo, chegam a ser um desafio para muitos tradutores. A pergunta é: como traduzir essas expressões para que causem o mesmo impacto no leitor estrangeiro? A partir de agora, vamos mergulhar nesse mundo maravilhoso da tradução e descobrir como algumas das nossas expressões mais famosas são usadas mundo afora.

O português é uma língua muita rica em expressões e palavras. Muitos chegam a comentar que aprender o português é uma tarefa muito difícil devido à complexidade da nossa gramática. Expressões como: “quem é você na fila do pão?”, “aceita que dói menos”, “pular a cerca”, “rapadura é doce, mas não é mole, não!”, entre outras, têm características bem brasileiras e um sentido único para nós. Você consegue imaginar como essas frases poderiam ser traduzidas para o inglês? Se você cogitou a possibilidade de traduzir tudo isso ao pé da letra, podemos afirmar que não foi uma boa ideia! Sorry! 

Praticamente em quase todos os casos, a tradução literal não vai ser uma boa opção, pois perderá o sentido original e ainda poderá confundir o leitor.

Para entrar na brincadeira, algumas páginas de humor no Instagram fizeram suas versões dessas expressões ou ditados populares mais engraçados. E a risada é garantida. Confira alguns posts da página @greengodictionary:


Mas quando se trata de uma boa tradução, não é bem assim, não é mesmo?

Vamos listar aqui 10 expressões muito utilizadas na nossa língua e suas traduções correspondentes no inglês:

Casa de ferreiro, espeto de pauThe shoemaker’s son always goes barefoot
Custar os olhos da caraTo cost an arm and a leg
A pressa é inimiga da perfeiçãoHaste makes waste
Se não pode com eles, junte-se a elesIf you can’t beat them, join them
Melhor um pássaro na mão que dois voandoA bird in the hand is worth two in the bush
Em boca fechada não entra moscaA close mouth catches no flies
Antes tarde do que nuncaBetter late than never
Seguro morreu de velhoBetter safe than sorry
Em time que está ganhando, não se mexeIf it ain’t broke, don’t fix it
O que os olhos não vêem, o coração não senteOut of sight, out of mind

Ao realizar uma tradução, é necessário levar em conta a equivalência de sentido na língua-alvo, mantendo a ideia da expressão original. Por isso, para traduzir não basta apenas ter conhecimento do idioma, é importante conhecer algumas características culturais, bem como sociais do idioma que está sendo traduzido para que, dessa forma, a ideia original seja transposta da melhor maneira possível.

Escrito por Renata Pinheiro (tradutora e revisora na Spell Traduções)

Os erros de tradução mais engraçados da internet

TRANSLATION FAILS

O inglês é um idioma universal e, consequentemente, é a forma que conseguimos nos comunicar com outras pessoas que não falam nossa própria língua. Por isso, ao viajar para outros países ao redor do mundo cuja língua materna não é o inglês, você poderá notar que a grande maioria dos cardápios em restaurantes, as placas das cidades, os avisos em lugares públicos etc. contam com uma legenda ou explicação em inglês justamente para que os turistas consigam entender melhor as informações.

No entanto, mesmo sendo um idioma tão popular, é muito comum ver erros de tradução nessas legendas, o que é geralmente provocado por traduções automáticas e, é claro, pela falta de um tradutor ou revisor profissional. E como a internet é um lugar que não perdoa, é possível encontrar várias “translation fails” ou erros de tradução, registradas para nos divertir, que incluem desde cardápios com pratos que não fazem nenhum sentido, textos traduzidos ao pé da letra e erros causados pelo corretor ortográfico.

Confira abaixo os erros de tradução mais engraçados da internet!

  1. A mina de queijo

Imagina encontrar uma mina que, em vez de ouro, contém queijos? Essa deve ter sido a vontade da pessoa encarregada pela descrição das comidas desse hotel!

Essa tradução literal de “queijo Minas” fez com que o significado fosse completamente alterado, pois o responsável por ela levou a palavra “Minas” ao pé da letra e, ao invés de pensar em Minas como o estado de Minas Gerais, ele traduziu como “mine”, que significa “mina” (como uma mina de ouro). No caso, a tradução correta deveria ser simplesmente “Minas cheese”, já que o queijo vem de lá, e o nome do estado não pode ser traduzido. Portanto, os hóspedes internacionais do hotel devem ter pensado que serviriam uma quantidade enorme de queijos no café da manhã!

  1. Vai um suco da manga da roupa?

Os erros de traduções literais são muito comuns, e a maioria acaba sendo muito engraçado ou, então, muito constrangedor. Nesse caso, o “tradutor” provavelmente ficou com um pouquinho de preguiça de pesquisar outras traduções para “manga” e escolheu a primeira que apareceu na frente: sleeve, que, sim, significa manga… mas a manga da roupa. A tradução correta deveria ter sido “mango juice”, mas vai que o chef quis inovar com um delicioso sleeve juice?

  1. O que você tem contra a carne brasileira?

Outro caso de tradução literal bem errada, mas muito engraçada! É comum ter mais dificuldade para traduzir os cortes das carnes, já que as opções são muitas e seus nomes em inglês são bem diferentes dos nossos. Mas, nesse caso, a tradução foi feita tão ao pé da letra que o “contra” em contrafilé foi traduzido apenas como “against”, que é usado para expressar quando uma pessoa é contra algo/alguém (do verbo “contrariar”). Dessa forma, parece que o restaurante é contra a carne brasileira, pois essa seria literalmente a tradução do tal “Against the Brazilian Beef”, como vemos no cardápio. A tradução correta do nome da carne deveria ser “striploin”.

  1. Os peixes internacionais

Traduções literais são mesmo tão comuns, que o responsável por esse cardápio provavelmente achou que deveria inovar um pouco, indo em uma direção muito diferente e inusitada. A palavra “fígado”, por exemplo, em “iscas de fígado à lisboeta”, de repente passou a ter outro significado: “imprevisto” ou “não programado” (tradução de “unscheduled”). Já os outros pratos deram um ar sofisticado e internacional ao cardápio, já que cada um parece ter vindo de um país diferente: um é americano, o outro é espanhol e um veio de Lisboa. E eles servem até o idioma americano (não só o inglês, mas o inglês americano) no restaurante… que chique!

  1. Um pão gripado na chapa, por favor!

Diferentemente da tradução literal que acaba sendo muito engraçada, essa talvez possa ter sido um pouco constrangedora para os estrangeiros que visitaram essa padaria. Afinal, quem gostaria de pedir um lanche que parece estar resfriado, não é mesmo?

O que chamamos no Brasil de “frios”, que podem incluir queijo, presunto, peito de peru e outros tipos de carnes pré-cozidas, em inglês, chama-se “cold cuts” (ou, então, “cold meats”, “luncheon meats”, “deli meats” etc.). Ao se referir aos frios apenas como “cold”, entende-se que o pão tem uma cold – por exemplo, quando alguém está gripado, você pode dizer “he has a cold” ou “person with a cold”. Ou seja, parece que estão dizendo que servem pães com gripe!

  1. A porta é automática, Manuel!

Nesse caso, a frase acima, traduzida para o português, deveria ser: “Portas automáticas! Não tente abrir ou fechar as portas manualmente”. No entanto, é possível que o polêmico corretor ortográfico, já conhecido na internet por causar algumas gafes bastante engraçadas, tenha alterado a palavra “manually” (a tradução correta de “manualmente” em inglês) para “Manuel”. Dessa forma, o aviso no elevador parece estar sendo direcionado especificamente para alguém chamado Manuel!

  1. Coitada da praia…

Esse é um clássico exemplo de erro de tradução que pode ou gerar muitas risadas ou causar um certo constrangimento. Isso porque, foneticamente, as palavras bitch e beach são pronunciadas de forma bastante semelhante, o que pode confundir um pouco quem não tem um domínio da língua inglesa. A diferença é que o significado de beach é totalmente inofensivo (“praia”), e já o significado de bitch pode ser considerado um pouco pejorativo e ofensivo, principalmente quando se refere a uma mulher. Portanto, o aviso deveria ser: “Everyone loves a clean beach! Please do not litter”.

  1. O Peru europeu

Esse erro de tradução, apesar de um pouco grave (principalmente ao levar em consideração que foi publicado por um dos principais jornais brasileiros), acabou viralizando na internet entre os seus leitores e internautas por se tratar de uma gafe de tradução literal bastante engraçada.

Em 2015, ao abordar a crise dos imigrantes que tentavam chegar à Europa, o jornal Estado de S. Paulo, mais conhecido como Estadão, acidentalmente trocou o Peru pela Turquia no mapa. Isso se deve ao fato de que Turquia, em inglês, é “Turkey” – e, traduzido para o português de maneira literal, significa “peru” (não o país, mas o animal). O jornal, é claro, se explicou e retificou o erro cometido, mas não antes de ser “alvo” de muitas brincadeiras e chacota pelos internautas.

Estes são apenas alguns exemplos que reforçam a importância de um trabalho de tradução e revisão profissionais que possam garantir o sentido correto e uma boa qualidade para o leitor ou público final.

E você? Já viu alguma tradução engraçada ou constrangedora como nos exemplos deste artigo?

Artigo escrito por Juliana Gomes (Tradutora e Revisora na Spell Traduções)

BACK TRANSLATION: Você sabe o que é?

Você conhece algo sobre Back Translation? Entenda, neste artigo, o conceito desta técnica.

Garantindo a coerência das traduções, esse tipo de serviço foi criado para agregar na qualidade final do trabalho de tradução. O processo engloba, basicamente, uma validação circular por tradutores diferentes. Por exemplo, uma tradução do português para o inglês que, em seguida, será novamente traduzida do inglês para o português, só que por outro profissional que não teve contato nenhum com o texto original.

Dessa forma, é possível comparar o texto original com o que foi traduzido e, identificar os pontos críticos em relação às diferenças. Ou seja: terminologia usada, ambiguidades, trechos confusos, traduções incorretas etc. É muito importante falarmos que devido à natureza da língua, ambas as traduções nunca serão exatamente iguais.

Esse é um recurso pouco falado e pouco utilizado, uma vez que, é muito comum o prazo e o custo total do processo fugirem às necessidades operacionais do cliente. Podemos mencionar aqui algumas alternativas que também são usadas e demonstram eficiência para o controle de qualidade, como usar um especialista da área para validar os termos e o texto final, conhecido também como SME. Além disso, também é possível fazer uma etapa de Testes para garantir que o material esteja adequado ao meio em que será veiculado.

Você já conhecia esse tipo de serviço? Acha que ele pode ser eficiente? 

Carros iguais com nomes diferentes em outros países

Você já ouviu falar no carro Rabbit ou no Transporter, da Volkswagen? E no Montero, da Mitsubishi? Com certeza você conhece esses veículos, porém como Golf, Kombi e Pajero, respectivamente. Alguns automóveis, mesmo sendo da mesma marca, levam nomes diferentes, dependendo do país em que estão. Vamos apresentar aqui alguns dos exemplos mais clássicos e os motivos dessas mudanças.
Começando pelo Pajero, o carro fabricado pela Mitsubishi não possui o mesmo nome principalmente em países em que o idioma natural é o espanhol, e o motivo disso é bem simples: o termo Pajero em português não quer dizer nada, mas no espanhol ele tem um significado nada apropriado para as pessoas dizerem, principalmente perto de crianças. Por isso, mudaram o nome do automóvel para Montero. Porém, não é somente em países de língua espanhola que o nome muda: no Reino Unido, por exemplo, o mesmo carro é chamado de Shogun (o que alguns brasileiros poderiam confundir com o lutador de UFC, Maurício Shogun).


Essa mudança de nomes também ocorre com um automóvel muito antigo, mas fabricado até hoje, que conhecemos por Kombi, cujo nome original é Kombinationskraftwagen, em alemão. Na Inglaterra, ele é chamado de Camper e nos Estados Unidos, de Bus. Além de seu nome original, também ganhou apelidos como Perua no Brasil, Bulli na Alemanha, Pão de forma em Portugal, Combi Asesina no Peru, entre muitos outros.
O carro conhecido como SpaceFox no Brasil possui nomes variados, como Suran na Argentina, no Uruguai e no Chile, SportVan no México e Fox Plus na Argélia. Inicialmente, o nome do carro Fox (da mesma “família” do SpaceFox) seria “Tupi”, porém o som é muito parecido com “to pee” em inglês, que significa “fazer xixi”, então optaram por batizá-lo como Fox.
Um outro bom exemplo dessa mudança de nomes é o Golf, da Volkswagen, conhecido como VW Rabbit (em português, coelho). Nas primeiras gerações do carro, ele era chamado de VW Caribe no México.
Se você visitar outro país e ouvir alguém citando um dos automóveis acima, já sabe de qual se trata!

 

Texto escrito por Aline Bellozo

Referências:

https://www.flatout.com.br/nomes-iguais-carros-diferentes-os-xaras-do-mundo-automotivo-parte-1/
http://caranddriverbrasil.uol.com.br/carros/especial/os-nomes-de-nossos-carros-pelo-mundo/292#
https://www.flatout.com.br/universo-paralelo-os-carros-rebatizados-mais-bizarros-que-voce-ja-viu/